CHAVES, MÁRIO

Jundiaí, 28/1/1909 +18/8/1964 – Maestro e compositor. Deficiente visual desde o nascimento, foi com sua própria mãe, professora Olga, exímia pianista da época, que Mário Chaves iniciou sua formação artística. A mãe buscou para ele métodos musicais adequados no Rio de Janeiro, permitindo-lhe, assim, desenvolver vocação igual à dela. Mário Chaves fez seu aperfeiçoamento musical no Conservatório Musical de Campinas-SP, sob orientação do professor Miguel Ziggiatti, enquanto adquiria formação escolar especializada com o professor Norberto de Souza Pinto. Aos 16 anos, já músico formado, passou a integrar as orquestras que tocavam nos cinemas de Campinas e da região, acompanhando as cenas e movimentos de filmes mudos. Em 1947, ele lançava, pela Rádio Difusora Jundiaiense, o primeiro programa dirigido a portadores de deficiências visuais: A Vida no Mundo dos Cegos. Posteriormente, sob o patrocínio da confeitaria À Paulicéa, pôs-se a apresentar o programa Solos de Acordeon, no qual entoava tangos e músicas americanas em seu instrumento e também abria espaço para a apresentação de jovens acordeonistas e seus professores. Em seguida, lançou também Solos de Piano, igualmente aberto a outros músicos da cidade. Mais tarde, seus programas radiofônicos seriam levados para outras emissoras de Jundiaí e região, como a Rádio Santos Dumont e a Rádio Progresso de Itatiba. Ainda na década de 1940, o seu talento foi demonstrado, por diversas vezes, acompanhando artistas que se apresentavam no Cine Theatro Polytheama, como o poeta e declamador João Nogueira, cujo recital Noites Brasileiras contou com os seus acordes. Já na década de 60, era ele responsável pelo surgimento, em Jundiaí, do serviço de teledespertador, pelo qual as pessoas tinham o seu despertar garantido, na hora marcada, através de um chamado telefônico. Também, por empenho seu, foi fundado na cidade o Instituto Luiz Braille, que presta assistência aos deficientes visuais de Jundiaí e região até os dias de hoje. Mário Chaves se dedicou à arte até os momentos finais de sua vida, trabalhando como mestre musical e como técnico/afinador de pianos credenciado pela Fábrica de Pianos Brasil.  Sua obra musical tem continuidade, em Jundiaí, por intermédio de sua filha, professora Lúcia Olga Chaves.

Encontrou algum erro?

Envie uma correção

EFEMÉRIDES
Em 20 de julho de ...
1885 Nascia em Itu-SP o músico e maestro José Maria dos Passos.
1938 Falecia em Jundiaí, aos 63 anos, o médico Domingos Anastasio.
1947 Falecia em Jundiaí, aos 41 anos, o Professor João Muto.
2001 Falecia em São Paulo, aos 30 anos, o ilustrador e criador de histórias em quadrinhos e livros infantis Émerson Eduardo Luiz.
2002 Falecia em Jundiaí o ritmista Island Júnior.
2003 Falecia em Jundiaí, aos 90 anos, o violonista amador José Levada. Falecia em Jundiaí, aos 90 anos, o violonista amador José Levada.
2019 Falecia em Jundiaí o metalúrgico, radialista e ex-vereador Rolando Giarola.

Saiba mais sobre estes e outros personagens, instituições e fatos ligados às Artes, à Cultura e à História de Jundiaí navegando pela nossa Enciclopédia Digital.

Acompanhe nossas Redes sociais
Parceiros

Copyright © 2021 Jundipedia. Todos os direitos reservados.

Desenvolvido por PROJECTO