RADIOTEATRO ZYE-6

Antes do advento da televisão, era comum a radiofonização de textos adaptados do teatro ou do cinema, ou, ainda, de composições musicais de forte apelo dramático. Esse gênero de representação, que normalmente exigia o concurso de um narrador, posto que os atores não eram vistos, teve sua época áurea em Jundiaí de 1947 até os anos 50, com as produções do Rádio Teatro ZYE-6 – ou Rádio Teatro Difusora – cujo elenco foi inicialmente composto por José Seckler Machado (também autor de muitos scripts), Armando Dainese, Francisco Montes, Vicente Alves, Donato Rullo (autor de scripts sertanejos), Cruz Lucena, Aroldo Júnior, Lia Sales, Arquimedes de Almeida, José Cirilo Naid, Rubens de Oliveira, Eunice Campaner, Wanda Campaner, Euclides da Cunha, Luiz B. Garcia, Antonio de Oliveira, Rubens Soares, Nelson Gerreira, Adélia Mendonça, Araci Ferracini, Eugênio A. Camargo e Nelson Loda, sob direção geral de Dalberto Mário Giaccheta. Além de quadros humorísticos – como o Cirquinho do Zacarias (contracenando Aroldo Moraes Jr. e Nelson Gerreira), A Vida é Uma Piada (criado por Rubens de Oliveira) e tantos outros – eram representadas peças românticas, tais como Uma História para Você, Um Romance para Você e Amor é Sempre Amor (escritas por Aroldo Moraes Jr.); adaptações de filmes, como A irresistível Salomé, Vidoca – Escândalos em Paris, Paula, Tormento, Dama, Valete e Rei, A Volta de Monte Cristo, O Filho de Robin Hood, Tentação, Espelho d’Alma, Egoísta, Toda uma Vida, Desespero (todas, dentro da seção Teatro Matiné, criada por Nelson Spinelli) etc. Por essa variedade de atrações, a partir de 1948 o Radioteatro Difusora começou a segmentar-se, surgindo, então as seções Teatro Policial, Teatro Religioso, Rádio Comédia, Rádio Cinema e Rádio em Novela. Em 1949 surgiu o quadro História da Música, com a representação da peça Madrugada, inspirada em um samba gravado por Francisco Alves. Já em 1951, entrava na programação da rádio a peça-documentário Abraham Lincoln em Illinois, gravada pelo cast da Rádio Bandeirantes, com a participação dos radioatores jundiaienses Celso Guimarães (no papel do presidente norte-americano), Nicolau Tuma, Nelson Loda e Gonzaga Martins. A este documentário patrocinado pelo Serviço Cultural Brasil-Estados Unidos, seguiram-se dezenas de peças de autores nacionalmente famosos – como A herança da Tia Beatriz e O Príncipe Indu, de Rute Amaral, O Grito do Ipiranga, de Juracy Camargo, Vinte anos, de Patrício Luiz Leandro – e também peças e novelas escritas ou adaptadas por autores jundiaienses. Neste segmento são lembradas: Príncipe Encantado (do professor Lupércio Silveira); O Homem Que Eu Amo (de Nelson Spinelli e Dorival Valentin). Igualmente marcaram época no Rádio Teatro ZYE-6 os programas Teatro em Miniatura, Tela no Éter e Teatro da Vida, criados e dirigidos por Nelson Spinelli.

Encontrou algum erro?

Envie uma correção

EFEMÉRIDES
Em 16 de junho de ...
1927 Nascia em Jundiaí o escritor jurídico e fotógrafo amador Walter Campaz.
1952 Nascia em Morungaba-SP a contista, cronista e artista plástica Maria Helena de Paula Gomes Dias (Lena).
1966 Falecia em Jundiaí, aos 73 anos, o professor João Duarte Paes.
1982 Falecia em Jundiaí, aos 47 anos, o professor, jornalista e radialista Nelson Álvaro de Figueiredo Brito.
1987 Falecia em Jundiaí, aos 83 anos, o intelectual autodidata Walter Gossner.    
2023 Falecia em Jundiaí, aos 82 anos, o advogado, radialista e professor universitário Reinaldo Ferraz de Barros Basile.

Saiba mais sobre estes e outros personagens, instituições e fatos ligados às Artes, à Cultura e à História de Jundiaí navegando pela nossa Enciclopédia Digital.

Acompanhe nossas Redes sociais
Parceiros

Copyright © 2021 Jundipedia. Todos os direitos reservados.

Desenvolvido por PROJECTO