CEREZER, JOSÉ ROQUE

(Amparo-SP, 18/8/1933 +25/5/1998) – Escultor. Foi atuando como professor de mecânica e desenho na EEPSG Dr. Antenor Soares Gandra, na década de 60, que José Roque Cerezer percebeu as possibilidades de transformar sucata em figuras e objetos de valor artístico, com o uso do torno, solda e maçarico. Com o incentivo de seus alunos e das pessoas que começaram a tomar conhecimento dos seus trabalhos, passou a aprimorá-los, até que, em 1972, encorajou-se em mostrá-los publicamente, em uma exposição realizada no Clube Beneficente e Recreativo 28 de Setembro. Já em 1973, era escolhido como o “Artista do Ano” pelos organizadores do I Encontro de Artes do Colégio  Prof. Luiz Rosa, escola na qual, no ano seguinte, tomaria parte do II Encontro, com uma sala especial para as suas peças. Seguiram-se, daí, várias outras exposições, tanto em Jundiaí (III Mostra de Arte do Clube Beneficente e Recreativo 28 de Setembro, Saguão dos Correios, Museu Histórico e Cultural, Biblioteca Pública, Livraria Dom Quixote, Espaço Cultural Literarte, Cactus Restaurante etc.), como em Jarinu (I Encontro Jarinuense de Arte, 1976) e Campinas (Exposição Regional de Arte Contemporânea). Também teve algumas de suas peças enviadas à Itália e à Arábia Saudita, onde despertaram grande interesse entre colecionadores. A literatura e o folclore inspiraram muitos de seus trabalhos (Lampião, Cangaceiro, D. Quixote, Índia, Mulher Pilão, Baiana, Gaúcho, Laçador, etc.), enquanto em outros tomou como modelos simples trabalhadores (pescador, engraxate) ou um amigo envolvido com a política, mostrando-o como eloquente orador (Roque José Agostinho). Também transformou retalhos de metal em máscaras, que chegaram a impressionar o mais conhecido pintor de Jundiaí, Inos Corradin, que assim se referiu a esse de trabalho, no catálogo da exposição realizada no Museu de Jundiaí: “(…) Vi as últimas esculturas que serão apresentadas nesta exposição. Um trabalho vigoroso, máscaras de uma quase policromia metálica, com nuances de solda e maçarico e com a ideia focal essencialmente estética.” Roque Cerezer é citado no Anuário Jundiaiense de Artes Plásticas, edições de 1997, 1998 e 1999.

Encontrou algum erro?

Envie uma correção

EFEMÉRIDES
Em 17 de julho de ...
1892 Nascia em Castel Viscardo, Itália, o músico Odorico Stefani.
1918 Nascia em Jundiaí o ator e comediante Gentil Bervert.
1929 Nascia em Jundiaí o advogado, poeta e cantor João Lopes de Camargo.
1988 Falecia em Jundiaí, aos 59 anos, o músico e desenhista autodidata Leonardo Scarpim (Nardinho).
1996 Falecia em Jundiaí, aos 89 anos, o odontólogo e músico Isaac da Silva Bellini.
1997 Falecia em Jundiaí o cantor, compositor e cineasta Moacyr de Almeida Ramos.

Saiba mais sobre estes e outros personagens, instituições e fatos ligados às Artes, à Cultura e à História de Jundiaí navegando pela nossa Enciclopédia Digital.

Acompanhe nossas Redes sociais
Parceiros

Copyright © 2021 Jundipedia. Todos os direitos reservados.

Desenvolvido por PROJECTO