BÁRBARO, LUIZ FRANCISCO FERREIRA

(Jundiaí, 1946 +28/32017) – Cronista, declamador e militante cultural. Filho de Oswaldo Bárbaro e Jacyra Ferreira Bárbaro. Picoco Bárbaro, como Luiz Francisco se tornou conhecido, revelou-se como declamador ainda criança, recitando poesias no Gabinete de Leitura Ruy Barbosa, por ocasião dos festejos comemorativos do cinquentenário da Escola Industrial, e em reuniões do Lions Clube, aonde era levado pelo pai. Notabilizou-se, especialmente entre as décadas de 60 e 80 do século XX, como um dos principais cronistas do cotidiano da cidade. Nesse período, sua atuação estendeu-se desde a organização de festas e eventos culturais à participação em blocos carnavalescos, como o Além Viaduto, o Estamos na Nossa e a Banda da Ponte, dos quais seu pai, Oswaldo Bárbaro, foi grande incentivador. Também atuou como apresentador de noites culturais em bares como o Camaleão, o Carinhoso e o Pixinguinha, que eram bastante frequentados pela juventude universitária, profissionais liberais e artistas. Em 1986 dirigiu, no Centro das Artes, o espetáculo Expressões, reunindo artistas como Odiles Moro, Olga Colaneri, Célia Maria Mariano de Barros e Aníbal Andrade e, ainda, o Grupo Novo, então formado pelos músicos João Carlos (vocal), Valdir Bego (bateria), Valdir Dias (contrabaixo) e Ademar (teclado). Colaborou em numerosos órgãos de imprensa (Jornal de Jundiaí, Jornal de 2ª, revistas Dia & Noite, Baypendy e Tendências, entre outros), além do jornal eletrônico JundiAqui, com o qual colaborou até ser acometido pela doença que o levou à morte. Também fez parte da União Brasileira dos Trovadores / Seção de Jundiaí, inclusive exercendo a sua presidência de janeiro de 1983 a outubro de 1984, e integrou a Academia Jundiaiense de Letras e Ciências Jurídicas, criada em 2000 para congregar militantes da área jurídica com atuação, também, no campo literário. Em 2000, escreveu o posfácio do livro Crônicas, de Chãins Miranda Duarte. Atuou como advogado no Posto de Atendimento ao Trabalhador, órgão da Secretaria das Relações do Trabalho do Governo do Estado, além de manter na cidade a tradição do serviço de buffet criado por sua mãe, D. Leta Bárbaro, na década de 60.

Encontrou algum erro?

Envie uma correção

EFEMÉRIDES
Em 17 de julho de ...
1892 Nascia em Castel Viscardo, Itália, o músico Odorico Stefani.
1918 Nascia em Jundiaí o ator e comediante Gentil Bervert.
1929 Nascia em Jundiaí o advogado, poeta e cantor João Lopes de Camargo.
1988 Falecia em Jundiaí, aos 59 anos, o músico e desenhista autodidata Leonardo Scarpim (Nardinho).
1996 Falecia em Jundiaí, aos 89 anos, o odontólogo e músico Isaac da Silva Bellini.
1997 Falecia em Jundiaí o cantor, compositor e cineasta Moacyr de Almeida Ramos.

Saiba mais sobre estes e outros personagens, instituições e fatos ligados às Artes, à Cultura e à História de Jundiaí navegando pela nossa Enciclopédia Digital.

Acompanhe nossas Redes sociais
Parceiros

Copyright © 2021 Jundipedia. Todos os direitos reservados.

Desenvolvido por PROJECTO