SOUTELLO, LUIZ HAROLDO GOMES DE

(São Paulo, 13/3/1944) – Advogado, professor universitário e escritor. Nome literário: Luiz Haroldo. Começou a escrever na adolescência, quando aluno do Colégio Santa Cruz (São Paulo), produzindo um jornal mural, em parceria com o colega Francisco Buarque de Holanda – o que lhes valeu um prêmio de jornalismo especialmente criado para eles, por aquela instituição. Foi aluno de História do professor Carlos Alberto de Sá Moreira e, através deste mestre, teve despertado seu interesse pela Genealogia e pela História Medieval – assuntos dos quais é profundo conhecedor. O contato com os padres canadenses do Santa Cruz aperfeiçoou o seu domínio do idioma francês (aprendido quando criança, com o pai, que morou dezoito anos na Suiça) e do inglês. No colégio São Luís, de São Paulo, que frequentou de 1960 a 1962, foi membro ativo da Arcádia Gregoriana – academia literária mantida pelos jesuítas – em que teve contato com Altino Arantes. Estudou Direito no Largo São Francisco (1963-1967) e em 1973, escreveu a monografia O Suicídio Psicossomático de Álvares de Azevedo, em parceria com o psiquiatra Durval Marcondes, cuja morte, ocorrida pouco depois, resultou no extravio do manuscrito. Foi também nessa época que produziu sua primeira monografia jurídica, O Dinamismo Funcional do Conceito de Taxa, com a qual conquistou, em 1967, o prêmio do concurso anual de monografias promovido pelo então Instituto Brasileiro de Direito Financeiro – depois Instituto Brasileiro de Direito Tributário, filiado à International Fiscal Association – sendo a comissão julgadora presidida por Gilberto de Ulhôa Canto. Durante a Reforma Tributária entre 1965 e 1966, foi assessor pessoal do professor Rubens Gomes de Sousa, que trabalhava nos anteprojetos da Emenda Constitucional nº 18, de 1965, e do Código Tributário Nacional. No início dos anos 70, a convite de Anthony John Mac Culloch, trabalhou com Janet Edwards na montagem da peça Murder in the Cathedral, de T. S. Eliot, interpretada pelos professores da Sociedade Brasileira de Cultura Inglesa. Luiz Haroldo leciona na Pontifícia Universidade Católica de São Paulo desde os anos 1970 e foi, também, professor de Direito Tributário na Faculdade de Direito Padre Anchieta, de Jundiaí, de 1973 até 2002. Mudou-se para Jundiaí em 1990, quando se casou com Maria Helena Menten. Radicado na cidade, tornou-se cronista do Jornal de Jundiaí, onde estreou com um estudo, O Crime de Petronilha Antunes, que abriu novas perspectivas a respeito da história da fundação da cidade, relacionando-a com a Guerra dos Pires e dos Camargos, e pelo qual recebeu um ofício congratulatório da Câmara Municipal. Atualmente, escreve uma coluna de anedotas jurídicas no Jornal da 33ª OAB/SP, com o título Rapidinhas do Lulu. Publicou seis livros de ficção humorística: Lulu das Pervas e a Calcinha da Tiche (Copola, 1994), O Bode na Livraria (Literarte, 1996), 5 +a Bruxa são 6 (Literarte, 1997), Memórias da Adriana (Literarte, 1999), A Estreia (Literarte, 2001) e Lulu, por extenso (Literarte, 2002), além da peça de teatro João Miramar, a Academia e a Bucha (Literarte, 1998) e dois livretos de poesia: A Lira dos Anos Vinte (em parceria com Tarsila Costa Amaral, Literarte, 1998) e Ad Priscillam, em edição trilingue (Literarte, 2002). Foi condecorado pelo Governo do  Estado de São Paulo com a Cruz de João Ramalho, por seus trabalhos genealógicos, e pelo Município de Jundiaí com a Medalha Professor Joaquim Candelário de Freitas, por suas atividades docentes na Faculdade de Direito Padre Anchieta. Procurador de carreira do Banco Central do Brasil desde 1977, produziu alguns estudos sobre a disciplina jurídica da moeda, um dos quais, Inconstitucionalidade das Unidades Fiscais Criadas por Estados e Municípios, foi publicado na Revista Trimestral do Legislativo. Produziu também estudos sobre Direito Bancário, como Conversão de Liquidação Extrajudicial em Falência, com o qual conquistou o primeiro lugar em um concurso interno do Banco Central para promoção de carreira. Outros trabalhos jurídicos seus são: Aspectos Estruturais e Dinâmicos do Imposto Sobre Operações de Câmbio (tese de doutorado) e Aspectos Criminais na Falência de Instituições Financeiras (Revista da Faculdade de Direito Padre Anchieta). Luiz Haroldo é membro da Academia Jundiaiense de Letras e da Academia Jundiaiense de Letras e Ciências Jurídicas e consta em verbete no Dicionário Jundiaiense de Literatura, de Celso de Paula (Ed. Literarte, Jundiaí, 1999).

Encontrou algum erro?

Envie uma correção

EFEMÉRIDES
Em 17 de julho de ...
1892 Nascia em Castel Viscardo, Itália, o músico Odorico Stefani.
1918 Nascia em Jundiaí o ator e comediante Gentil Bervert.
1929 Nascia em Jundiaí o advogado, poeta e cantor João Lopes de Camargo.
1988 Falecia em Jundiaí, aos 59 anos, o músico e desenhista autodidata Leonardo Scarpim (Nardinho).
1996 Falecia em Jundiaí, aos 89 anos, o odontólogo e músico Isaac da Silva Bellini.
1997 Falecia em Jundiaí o cantor, compositor e cineasta Moacyr de Almeida Ramos.

Saiba mais sobre estes e outros personagens, instituições e fatos ligados às Artes, à Cultura e à História de Jundiaí navegando pela nossa Enciclopédia Digital.

Acompanhe nossas Redes sociais
Parceiros

Copyright © 2021 Jundipedia. Todos os direitos reservados.

Desenvolvido por PROJECTO