FIRMINO, ANTONIO APARECIDO

(Campinas-SP, 20/9/1971) – Ator, cineasta e showman. Nome Artístico: Toninho do Diabo. Toninho criou o seu personagem (uma figura de traços demoníacos) em 1979, influenciado por José Mojica Marins (o Zé do Caixão), primeiro desenhando-o, para depois, incorporá-lo em seus filmes, em espetáculos teatrais, shows, aparições na TV e na própria vida real. Estreou no cinema em 1993, produzindo e estrelando o curta-metragem Caça aos Falsos Profetas, ao qual se seguiram vários outros, sempre na linha do trash movie – produções feitas com poucos recursos e sem nenhum compromisso com a qualidade técnica, geralmente baseadas no sobrenatural, com boas pitadas de humor. Toninho imprime o mesmo estilo de representação às suas peças e shows, sempre buscando causar impacto na plateia. Ficar enterrado por três dias; ser algemado e colocado dentro de um barril, depois atirado numa lagoa, e mutilar sua partner com um machado, são alguns exemplos. Suas produções cinematográficas, feitas no final do século XX – como Hospital do Horror e O Caçador de Almas, (lançado nos Estados Unidos com o título King of Hell) – enquadram-se no chamado splant gore (literalmente, tripa e sangue), uma subdivisão do trash movie, revelando forte influência do cineasta americano Ed Wood, que se consagrou através dessa linha de filmes. Toninho do Diabo tornou-se também, personagem de histórias em quadrinhos, roteirizadas por ele próprio a partir de anotações em seu diário negro e desenhadas por Marcelo Leonardi, para a Editora Magnun. Depois de protagonizar esse personagem em mais de 50 filmes curtas e médias metragens, em 2000, Antonio Aparecido Firmino interpretou Assombrado – um fantasma brincalhão e amigo das crianças. Como Assombrado, lançou um CD com onze músicas de letras e títulos espirituosos e bem-humorados (Viúva Fresca, Estrimilique, Fantasma Gay, Bailão no Cemitério, entre outras) e fez alguns shows. Para o seu reaparecimento como Toninho do Diabo, próximo à virada do milênio, Firmino apresentou em sua casa um insólito presépio, montado com imagens demoníacas, invertendo a tradicional representação do nascimento de Cristo. Com esse “presépio de Satã” e o discurso de se haver tornado discípulo de Lúcifer e seguidor da seita criada em São Francisco, Califórnia-EUA, por Antonio Lavei, detentor do título de Bispo do Diabo, por delegação do papa dessa seita, no Brasil, professor Luiz Hawalter (Vitória-ES), o artista reabriu espaço na mídia nacional para relançar o seu mais famoso trash movie, anunciando nos cartazes: O Caçador de Almas II – A Era da Matança, com a Volta de Toninho do Diabo. Depois de ser exibido, em avant-première, no Gabinete de Leitura Ruy Barbosa, em maio de 2001, O Caçador de Almas conquistou prêmios no Circuito Alternativo de Cinema B, na Califórnia, e no festival da Sociedade de Cinema B do Texas, Estados Unidos, como o mais hilariante e cômico de terror. Em 2002, Firmino fez o longa-metragem Kung-Fu Trash – A Era da Congada, que ganhou prêmio na Inglaterra. Nesse mesmo ano, o ator anunciava o abandono do seu personagem, em face da sua conversão à Igreja Universal do Reino de Deus. Chegou, efetivamente, a frequentar e até a fazer pregações em nome dessa seita, mas, passados poucos meses, estava ele de volta como Toninho do Diabo, pronto para fazer novos filmes de terror. Em junho de 2004, estavam sendo rodadas as últimas cenas do seu curta O Verdadeiro Jesus, o Cristo – feito com o claro intuito de gerar polêmica no âmbito do cristianismo. Outros trabalhos: 1996/97 – realizou quatro curtas-metragens: Dr. Toninho do Diabo e a Criatura do Espaço Volume – I e II; A Volta do Cachorro Vodu; O Caldeirão da Bruxa; 1998 – gravou o vídeo clip Profecias Brasileiras; 2000 – lançou o CD O Assombrado, com patrocínio do pai do cantor Dinho – integrante do grupo Mamonas Assassinas, morto em trágico acidente de avião. Aparições na mídia: Além de se tornar matéria de capa de alguns dos principais jornais brasileiros, como o Globo, do Rio, e dar bombásticas entrevistas em rádios de todo o País (em uma delas, em 2000, na Rádio Eldorado, ele prenunciou a desvalorização do real frente ao dólar, com poucos dias de antecedência), Toninho participou, dezenas de vezes, em programas televisivos de grande audiência, como os de Jô Soares e de Hebe Camargo, e no de Marcos Mion – que elegeu o seu clip como “o pior do ano”.

Cena do curta Kung Fu Trash Gore, estrelado por
Toninho do Diabo
Encontrou algum erro?

Envie uma correção

EFEMÉRIDES
Em 24 de abril de ...
1875 Nascia em Petrópolis-RJ o músico Eduardo Tomanik.  
1929 Nascia em Jundiaí o cantor Durval de Brito Salles.
1957 Nascia em Jundiaí o violeiro e violonista Lázaro Purgato, conhecido como Corvo Branco ou Corvo Campeiro.
1959 Nascia em Itatiba-SP a pintora Elisabeth Fontana Suzan.
1971 Nascia em Jundiaí Débora Emi Mitsunaga, a primeira brasileira descendente de japoneses a ser eleita Miss Nikkey Internacional.
1976 Nascia em Campinas-SP o músico Christian Ricardo Guerreira dos Reis.
1985 Nascia em Jundiaí o ator e diretor teatral Ricardo Luiz Grasson.
1985 Nascia em Jundiaí o ator e diretor teatral Ricardo Luiz Grasson.
1985 Nascia em Jundiaí o ator e diretor teatral Ricardo Luiz Grasson.
1985 Nascia em Jundiaí o ator e diretor teatral Ricardo Luiz Grasson.

Saiba mais sobre estes e outros personagens, instituições e fatos ligados às Artes, à Cultura e à História de Jundiaí navegando pela nossa Enciclopédia Digital.

Acompanhe nossas Redes sociais
Parceiros

Copyright © 2021 Jundipedia. Todos os direitos reservados.

Desenvolvido por PROJECTO