CERTAIN, BENEDITO DE PAULA

(Campinas-SP, 13/9/1911) – Historiador, poeta e compositor. Nome literário: Benoit Certain. Benoit cursou o primário e o secundário em Campinas. Com 16 anos, já residindo em Jundiaí, começou a publicar as suas crônicas no jornal A Folha. Em 1934, fez teste para locutor na Rádio Cruzeiro do Sul, classificando-se em 2º lugar. A partir de 1936, durante dez anos, Benoit entregou-se à pesquisa do passado histórico da cidade, disto resultando a obra História Colonial e Imperial de Jundiaí, com mais de 300 páginas, que entregou à Sociedade Amigos de Jundiaí, em 1947, sob promessa de publicação. Consta que referida obra teria sido impressa no setor de mecanografia do antigo Grupo de Artilharia de Dorso, porém, com uma tiragem simbólica a que pouquíssimas pessoas puderam ter acesso. No final dos anos 40, Benoit manteve vários programas culturais na Rádio Difusora Jundiaiense, havendo, em uma série deles, radiofonizado os seguintes capítulos do seu livro: A Vida de Rocinha, O Conde do Parnaíba, A Vida de Tibúrcio Siqueira, Nossa Senhora do Belém de Jundiaí, Jundiaí Agora é Cidade. Amante da música e da poesia, Benoit participou intensamente das rodas intelectuais e boêmias da cidade, inclusive acompanhando, por quase trinta anos, o grupo Chorões do Japy. Também fez música com muitos compositores famosos, como Pixinguinha e Lamartine Babo, e teve várias de suas canções gravadas em discos pela Odeon e pela RCA Victor. Da sua vasta produção, são lembradas: Menina Linda de Jundiaí, Morena de Olhos Azuis, Chorões do Japy, Da Rede ao Portal, Águeda (valsa, em parceria com Aquilino Cunha), Sou Sertanejo (parceria com Luiz Chiavegatti), A Bomba Estourou, Preto Véio e Hino a Jundiaí, esta última, feita em parceria com Lamartine Babo, especialmente para a Festa da Uva de 1938.  Sobre o trabalho desse artista das letras, disse Tarcísio Germano de Lemos, em uma de suas crônicas na Revista de Jundiaí, em junho de 1952: “Todas as coisas que Benoit escrevia, mesmo os artigos, em que se encontra o maior senso crítico, traziam sempre um quê de poesia. As frases eram incisivas, mas sempre trazendo um sentimento do vate que não do crítico.” Seguem-se o Hino a Jundiaí e outras amostras da obra poética deixada por Benoit Certain:

Hino a Jundiaí

Salve

Jundiaí formosa

Cidade feita de rosas

Saudades vou levar

A chorar

Saudades daqui vou levando

Adeus, oh! Jundiaí

Que és minha de emoções

Dos Chorões

Dos Chorões do Japy.

Sigo

Contigo na Lembrança

Cidade da Esperança

Das rosas perfumosas

Das mil rosas.

Em cidade melhor

Também eu nunca estive

Adeus, oh! Jundiaí

Quem passa por aqui

Sem te adorar não vive.

(Benoit Certain e Lamartine Babo, 1938)

Flocos de uma Vida

I

Eu tenho a obsessão letal de um doido enigmatismo

Que me corrói as células aos poucos…

E vejo o mundo como um grande abismo

Onde os humanos bradam como loucos…

Quero tornar meus ouvidos moucos,

Quero não ver o “pandemoniun”, cismo!

Mas, mesmo assim perpassam, lassos, roucos,

Os abantesmas do meu fanatismo.

II

Contorço-me, Aflitíssimo, no leito,

Prevendo atrás da morte a noite escura…

Enfureço, rolo pelo chão, ai! – tropeço

Sinto a morte agarrando-se-me ao pé.

Irei passar à eterna incompreensão,

Dentro da Morte que inda não conheço,

Fora da Vida que eu nem sei o que é?

III

Eu bem conheço a significação

Macabra, confessora do meu fim,

Deste raminho de alecrim

Desta vela de cera em minha mão

E deste crucifixo sobre mim…

Bem sei, bem sei – enfim –

Que um padre

Vem trazer-me a extrema-unção…

IV

Desmoronou-se fragorosamente,

Como o estrupir de um pinheiral vencido,

O meu castelo azul, meu sonho ardente;

Essa ilusão do que tivera sido.

Mas nem por isso eu fico aborrecido

Ou entediado, com feições de doente,

Se a tudo eu havia pressentido

Por bem saber que nunca estarás contente…

V

Pensando bem, foi bom que isso se desse.

Antes que o golpe fosse mais profundo,

Jesus deu atenção à minha prece.

Tu nunca entendestes bem meu coração

Eu dei a mão a todo mundo

E tu queres o mundo em tuas mãos.

VI

Eu não tenho talento, que gera a beleza,

Eu não tenho a riqueza, que gera o conforto.

Eu não tenho a nobreza que gera a ilusão…

Só tenho um sonho lindo, agora quase morto,

No meu desconsolado coração…

VII

É uma vontade, bem sei, a derradeira.

A minha juventude espedaçada

almeja até na morte um “reve d’or”.

Queria ver-te à minha cabeceira

Rezando por minha alma torturada

Um “Padre-Nosso”, que eu não sei de cór…

VIII

E quando lá no campo,

Unindo-me aos destroços, a legião enrijecida,

Sem lágrimas por mim, sem uma flor…

Só restará de mim um monte de ossos:

Fragilidade do que fui na vida,

desmoronamento do que fui no amor…

IX

Peço, porém, às pessoas caridosas

e que que tenham religião:

que destruam todo o meu espólio,

cousas tais:

roupas velhas, livros, recibos,

minhas bugigangas, balandraus,

aquele “in-folio”

que fala sempre na felicidade,

minha fotografia e versos maus.

X

Se eu morrer isolado, num tugúrio mudo,

onde falta de tudo,

até mesmo a amizade do melhor amigo

(que levou mais tempo para me esquecer),

Peço, porém, às pessoas caridosas

e que que tenham religião:

que destruam todo o meu espólio,

cousas tais:

roupas velhas, livros, recibos,

minhas bugigangas, balandraus,

aquele “in-folio”

que fala sempre na felicidade,

minha fotografia e versos maus.

XI

Enfim, de tudo que eu deixe,

faça-se um feixe

e uma bela fogueira

que ilumine e faça ficar lindo o meu caixão.

XI

As cinzas disso tudo vão comigo

para o meu negro e derradeiro abrigo,

pois eu não quero que fique neste mundo

os vestígios de um profeta profundo

de desconsolo e desesperação.

XII

E depois…

Depois contem a ela o desenlace

para que ponha nas rosas da face

uma tristeza brusca e mostra de saudades

(cousas essas que ficam muito bem

a quem preza as convenções da sociedade).

E depois diga, entre fingida e compungida:

“– Ora, isso são cousas da vida!

Deus que tenha a sua alma em santa paz,

Ai…Ai… era tão bom o pobre do rapaz!”…

(Benoit Certain, 1934)

Sonho Antigo

Existe entre nós dois um sonho antigo,

sonho que nós vivemos a amargar,

sonho que eu não consigo transformar

na realização azul do meu desejo…

É muito puro o sentimento

que alimento por você…

Não existe sensualismo, nem pecado,

no olhar que eu tenho para o seu olhar.

Porque é que, afinal,

nós vivemos fazendo essa cousa tão sem graça

que faz tanto mal

aos nossos corações?

A vida passa,

a juventude é linda, mas tem fim…

Os seus olhos formosos

um dia irão perder a luz bendita,

olhos que são hoje, para mim,

a luz da minha vida espiritual!…

Eu quisera

que todos os dias límpidos de sol,

todas as noites lindas de luar,

os seus dedos sedosos de princesa

vivessem afagando os meus cabelos,

embalando meu sono agitado

com seus desvelos de esposa amiga e boa,

compartilhando as tristezas da vida

de quem quer bem você

como se pode nesta terra amar alguém.

Quando vem você me ver

e, de braços abertos, num correr,

enlaça meu corpo aceso para o amor,

nem posso conceber,

no mistério suave do seu ser,

todo o ardor

que pode minha vida confortar

na alcova perfumada do meu lindo lar!…

Que será de nós,

no turbilhão das cousas dos destinos

que deram de presente,

arbitrariamente,

à gente?

O passado foi bonito e ingênuo,

cheio de jasmineiros perfumados,

cheio de sonhos dourados,

que eu nunca pude ver realizados

para conforto do meu temperamento…

Glória do que existiu nos tempos idos

dentro das nossas almas infantis,

tempos em que vivemos iludidos,

acreditando que se pode ser feliz…

A minha esperança

está por um fio débil de pensamento.

Não chega a ser nem mesmo um ideal.

Sao dores de amor sentimental,

dores exclusivas e profundas,

que a gente nunca pode confessar,

sem corar.

Estou no fim da vida

e não cheguei ao começo do amor;

o meu pressentimento não me engana,

pois a minha vida é cousa humana

e o meu amor somente um deus pode sentir!

Eu dou toda razão a você..

Por que é que há de, um poeta louco,

fora de moda, fora de jeito,

viver a querer insuflar no peito

uma coisa que você não pode sentir?

Eu não tenho talento, que gera a beleza,

Eu não tenho a riqueza, que gera o conforto.

Eu não tenho a nobreza que gera a ilusão…

Só tenho um sonho lindo, agora quase morto,

No meu desconsolado coração…

Se eu morrer isolado, num tugúrio mudo,

onde falta de tudo, até mesmo a amizade do melhor amigo (que levou mais tempo para esquecer),

peço às pessoas boas.

que sejam caridosas e que tenham religião,

destruam todo o meu espólio,

coisas tais: roupas velhas, livros puídos, versos maus, minhas bugigangas, balandraus,

aquele in-fólio que fala sempre de felicidade,

minhas fotografias, enfim, de tudo o que eu deixe,

faça-se um feiche e uma bela fogueira

que ilumine e deixe lindo o meu caixão.

Benoit Certain, 1934

Encontrou algum erro?

Envie uma correção

EFEMÉRIDES
Em 22 de abril de ...
1934 Nascia em Jundiaí a professora e musicista Janet Ferreira Prado.
1966 Nascia em Jundiaí a jornalista, advogada, professora universitária e escritora Kátia Raquel Bonilha Keller.
1970 Nascia em Ouro Verde-SP o ator Vanderlei Dias de Oliveira.  

Saiba mais sobre estes e outros personagens, instituições e fatos ligados às Artes, à Cultura e à História de Jundiaí navegando pela nossa Enciclopédia Digital.

Acompanhe nossas Redes sociais
Parceiros

Copyright © 2021 Jundipedia. Todos os direitos reservados.

Desenvolvido por PROJECTO