MONDO, DOUGLAS

(Jundiaí, 27/2/1954) – Poeta, cronista, sócio-fundador e ex-presidente da Academia Jundiaiense de Letras e Ciências Jurídicas. Paralelamente às atividades profissionais, como advogado civilista e empresarial, Douglas Mondo tem participado de diversos eventos culturais, tanto no âmbito da Ordem dos Advogados do Brasil como do Clube Jundiaiense e da Fundação Casa da Cultura de Jundiaí. Colabora na imprensa local desde o início da década de 70, tendo sido o criador do slogan Jornal da Cidade – A Imprensa a Serviço da Comunidade, adotado por esse órgão em 1975. No auge da ditadura militar (1974), escreveu a peça teatral Dirigentes e Dirigidos, abordando a relação entre as pessoas e as instituições, dentro da liberdade das autonomias de vontades, a qual foi vetada pela censura vigente na época. Em 1978, matriculou-se no curso de Jornalismo da Faculdade de Comunicação Social do Anhembi em São Paulo e, dois anos depois, alterou a rota da sua formação para o campo do Direito, no qual bacharelou-se em 1984. No terceiro ano deste curso, presidiu o diretório acadêmico da faculdade e lançou, através deste, o jornal O Democrata.  Desde a juventude escreve monólogos e contos abordando o tema Liberdade, que sempre lhe aguçou a alma. Publicou, em 1997, o livro intitulado Emoções (Ed. Araguaia, Várzea Paulista-SP) e em 1998, teve quatro poemas seus incluídos na 1ª Antologia de Poemas Eróticos – EROS (Ed. Poesia Diária (São Paulo). Ainda em 1998, coordenou a recriação da Semana de Arte Moderna de 1922 no Teatro Polytheama. Em 1999 publicou o livro de poemas Três em Um, (Ed. Poesia Diária), realizando o seu lançamento com um show musical e poético dirigido por Jô Martin. Também em 1999, idealizou a antologia InsPiração Erótica, lançada em março de 2000, por meio da Editora Literarte, juntamente com o CD Evoé Libido!, produzido por Marcelo Dantas Fagundes, onde foram gravados 35 poemas de sua autoria, inclusive alguns musicados. Também organizou e tomou parte na antologia A Linguagem da Língua, lançada em 2001, através da Laser Press. Em 2002, em parceria com Miguel Arcanjo Terra, produziu o texto do espetáculo Não Fais Mal, Não Tem Portância – que foi levado na sede de campo do Clube Jundiaiense –, resgatando a vida e obra do compositor paulista Adoniran Barbosa. Em 2003 lançou com Douglas Tufano o livro intitulado Cidadania Arte & Poesia. Além de publicar crônicas semanais no Jornal de Jundiaí, abordando temas ligados à espiritualidade do homem, Douglas Mondo é colaborador da revista Humanidade, editada em Portugal, com distribuição nos países de língua portuguesa.

Encontrou algum erro?

Envie uma correção

EFEMÉRIDES
Em 20 de julho de ...
1885 Nascia em Itu-SP o músico e maestro José Maria dos Passos.
1938 Falecia em Jundiaí, aos 63 anos, o médico Domingos Anastasio.
1947 Falecia em Jundiaí, aos 41 anos, o Professor João Muto.
2001 Falecia em São Paulo, aos 30 anos, o ilustrador e criador de histórias em quadrinhos e livros infantis Émerson Eduardo Luiz.
2002 Falecia em Jundiaí o ritmista Island Júnior.
2003 Falecia em Jundiaí, aos 90 anos, o violonista amador José Levada. Falecia em Jundiaí, aos 90 anos, o violonista amador José Levada.
2019 Falecia em Jundiaí o metalúrgico, radialista e ex-vereador Rolando Giarola.

Saiba mais sobre estes e outros personagens, instituições e fatos ligados às Artes, à Cultura e à História de Jundiaí navegando pela nossa Enciclopédia Digital.

Acompanhe nossas Redes sociais
Parceiros

Copyright © 2021 Jundipedia. Todos os direitos reservados.

Desenvolvido por PROJECTO