MARQUES, JOSÉ LUIZ

Jundiaí, 13/8/1949 +8/5/2022 – Músico. Filho de Alcides Antonio Marques e Ivette de

Oliveira. Pertencendo a uma família de músicos, já aos oito anos José Luiz Marques começou a estudar pistão com o professor Luiz Gonzaga Gil, aprendendo teoria, solfejo e prática. Já tocando o instrumento, estudou harmonia com o professor João da Silva Oliveira. Para aperfeiçoar sua técnica, também passou a ter aulas práticas com seu avô, Luiz Marques. Teve aulas, ainda, com o professor Dino Pedini, na Fundação Armando Álvares Penteado, e, na década de 70, estudou bateria (que também já tocava) com vários mestres, entre os quais o baterista Tércio (o Bolo Fofo, ex-integrante da Orquestra de Osmar Milani) e o professor Célio, do Centro Livre de Aprendizagem Musical – escola pertencente ao Zimbo Trio. Nessa época, manteve contato com vários bateristas de prestígio, especialmente com Rubinho, Chumbinho e o próprio professor Célio – com quem chegou a tocar, em diversas oportunidades, em audições realizadas no Teatro São Caetano. No início de sua carreira, José Luiz Marques foi pistonista da Orquestra Infantojuvenil de Jundiaí e, paralelamente, atuou como percussionista no Conjunto Popular Brasileiro, formado por ele, seu irmão Toninho (bateria), seu primo Celso (pistão) e o amigo Norival (contrabaixo), com os quais, por diversas vezes, se apresentou em programas juvenis da antiga TV Tupi. Aos 13 anos passou a integrar a Orquestra City Swing, liderada por seu pai, Alcides Marques. Ao mesmo tempo em que tocava pistão, desenvolveu conhecimentos de contrabaixo, como autodidata, chegando a desempenhar a função de contrabaixista da orquestra nos anos de 1970 e 1971. Afastando-se da City Swing em 1972, José Luiz passou a integrar o conjunto Los Gringos, como percussionista e baterista e, no ano seguinte, ajudou a fundar A Kripta, onde atuou como baterista de 1973 a 1975 e de 1977 até 1978. Tocou, ainda, em vários outros conjuntos, como músico fixo e freelance até 1984, quando retornou à orquestra dirigida pelo pai, onde seguiu tocando até o desaparecimento do grupo, do qual também foi dirigente.

José Luiz Marques, ao trompete, na Orquestra City Swing
Encontrou algum erro?

Envie uma correção

EFEMÉRIDES
Em 16 de junho de ...
1927 Nascia em Jundiaí o escritor jurídico e fotógrafo amador Walter Campaz.
1952 Nascia em Morungaba-SP a contista, cronista e artista plástica Maria Helena de Paula Gomes Dias (Lena).
1966 Falecia em Jundiaí, aos 73 anos, o professor João Duarte Paes.
1982 Falecia em Jundiaí, aos 47 anos, o professor, jornalista e radialista Nelson Álvaro de Figueiredo Brito.
1987 Falecia em Jundiaí, aos 83 anos, o intelectual autodidata Walter Gossner.    
2023 Falecia em Jundiaí, aos 82 anos, o advogado, radialista e professor universitário Reinaldo Ferraz de Barros Basile.

Saiba mais sobre estes e outros personagens, instituições e fatos ligados às Artes, à Cultura e à História de Jundiaí navegando pela nossa Enciclopédia Digital.

Acompanhe nossas Redes sociais
Parceiros

Copyright © 2021 Jundipedia. Todos os direitos reservados.

Desenvolvido por PROJECTO