FESTAS E CULTURA POPULAR

As festas sempre foram uma manifestação comunitária em que as artes tiveram espaço em Jundiaí – principalmente a música. Entre as festas de tradição realizadas em bairros rurais estão a Festa do Frango, Polenta e Vinho (Bairro da Toca); a Festa da Varginha e a Festa da Roseira. Em 1988, com o centenário da imigração italiana, surgiu a Festa da Colônia Italiana, que, desde então, se repete anualmente, no mês de maio, com barracas instaladas ao redor da Igreja Sagrado Coração de Jesus, onde são servidos variados pratos à base de massas e realizados shows com música típica italiana. A Festa da Padroeira, realizada no dia consagrado a Nossa Senhora do Desterro (15 de agosto), é a que detém maior tradição na cidade, no âmbito da comunidade católica. Junto às paróquias, mais recentemente, ganharam destaque a Festa Portuguesa (Vila Arens) e a Luzes da Ponte (na Ponte São João), além de algumas outras. As festas de Carnaval também surgiram na primeira metade do século, mas as escolas de samba multiplicaram-se apenas a partir dos anos 70. Na esfera beneficente, a Feira da Amizade foi um dos principais eventos da cidade a partir do final dos anos 1960, quando foi criada e coordenada por Mercedes Marchi. Essa feira acabou perdendo a sua força na década de 90, até, por fim, desaparecer do calendário municipal. Em 1993 este interesse pelas entidades seria compartilhado pelo grito social contra a fome na campanha da cidadania, que criou o festival cultural Pão & Poesia, defendendo mais espaço para os artistas locais. Outras festas, como Porradaria, Rap Solidário e Cachorro Louco, surgiram para abrigar tendências culturais diversas. Também nesta linha aconteceram algumas festas de peão de boiadeiro – estas, banidas a partir de 2001, por influência das sociedades protetoras dos animais. Menos frequentes, os salões de arte e festivais de música deixaram uma lacuna depois da década de 70. Findos os Salões Jundiaienses de Belas Artes, que eram organizados por Amadeu Accioly, nos anos 1950 e 60, surgiram os Encontros Jundiaienses de Arte, que tiveram a sua época entre 1969 e 1976, e os Salões de Arte Contemporânea da Associação dos Artistas Plásticos, realizados entre 1975 e 1981. Depois disso, a cidade só veio sediar um grande salão oficial de arte em 1992 – afora o Salão Nacional de Humor realizado em 1991 e que caiu no esquecimento justamente depois de ser oficializado por lei municipal. Também perderam tradição eventos como as congadas, a Folia de Reis e a Festa do Divino, que empolgavam os moradores da cidade até meados do século XX.

Encontrou algum erro?

Envie uma correção

EFEMÉRIDES
Em 22 de abril de ...
1934 Nascia em Jundiaí a professora e musicista Janet Ferreira Prado.
1966 Nascia em Jundiaí a jornalista, advogada, professora universitária e escritora Kátia Raquel Bonilha Keller.
1970 Nascia em Ouro Verde-SP o ator Vanderlei Dias de Oliveira.  

Saiba mais sobre estes e outros personagens, instituições e fatos ligados às Artes, à Cultura e à História de Jundiaí navegando pela nossa Enciclopédia Digital.

Acompanhe nossas Redes sociais
Parceiros

Copyright © 2021 Jundipedia. Todos os direitos reservados.

Desenvolvido por PROJECTO