BRIDI, MARILENA VAZ

(São Paulo, 1945 +Jundiaí, 1998) – Poetisa, desenhista e compositora. Nascida no bairro paulistano de Santo Amaro, Marilena Vaz Bridi começou a envolver-se com a arte aos 12 anos, quando compôs os seus primeiros versos. Logo depois, passou a se dedicar também ao desenho e à pintura, além de aprender os primeiros acordes de violão. Com 23 anos, seguiu para Salvador (BA), onde cursou Psicologia e atuou como monitora do Museu de Arte Moderna e Popular. Mudando-se para Jundiaí, em 1977, fez-se conhecida por sua atividade profissional, treinando supervisores em diversas empresas, e também passou a destacar-se artisticamente, participando de concursos, festivais e exposições. Em 1984, já fazendo parte do grupo de expositores permanentes do Espaço Cultural Literarte (então localizado na Rua 15 de Novembro), Marilena lançou o seu primeiro livro de poemas, o qual foi ilustrado com desenhos próprios, feitos a bico de pena. Deste trabalho, intitulado Aprendiz de Amor, disse o escritor João Ribeiro Júnior: “(…) Há nele toda uma força de um desejo incontido, explodindo em versos que chegam tão fácil, tão suavemente ao coração do leitor, pois é um livro que sabe – e saber é sentir sabor – sobre coisas do Amor. (…) Basta abrir o livro em qualquer página, e logo cada sensação tende a cristalizar, a fixar-se pela palavra e pela harmonia, ao mesmo tempo em que a emoção se amalgama nos desenhos expressivos de Marilena. É toda uma espontaneidade. E é justamente esta espontaneidade um dos mais belos predicados da obra. O mérito da poesia é essencialmente qualitativo. E se há qualidade verdadeiramente fundamental em matéria de poesia, é a sua espontaneidade. Sem essa qualidade, a poesia desce da sua superioridade emocional à inferioridade de um puro artifício literário. Isto, porém, não acontece com os versos de Marilena, pois eles são frutos de sonhos acrisolados no amor: ‘Insone na madrugada sinto meus versos a nascer do quase nada’. Mas não é só a poesia, também os desenhos de Marilena têm em alto grau todas aquelas emoções a um tempo delicadas e comprometidas, que ampliam o alcance de nossa sensibilidade, que minha prosa dificilmente se atreveria a descrever. Aliás, não se explica o Amor. Basta se amar. Amar. Sonhar. Viver em outro alguém”.  Em 1985, para homenagear o carnaval e a ala das baianas da Jovem Banda, na qual desfilava, Marilena editou o opúsculo intitulado Samba -enredo, cujas ilustrações foram coloridas por ela na própria ocasião do lançamento. Ainda nessa década, a escritora obteve a primeira colocação em concurso de poesia realizado pela Prefeitura Municipal, dentro do projeto Adote Sua Cidade, e foi classificada em concurso nacional de contos promovido pela Ciobtis Manpower, com o apoio dos jornais Folha de São Paulo e O Globo, sendo o seu trabalho A Vida do João incluído na antologia RH – Relatos e Histórias – A Psicologia, Antropologia, Sociologia e a Política de Recursos Humanos (em Contos), que foi lançado no Congresso de Recursos Humanos de Belo Horizonte, em agosto de 1987. Marilena dedicou-se, também, à composição, ao canto e ao violão, participando de saraus e festivais de música – como o que foi realizado pelo Grêmio Recreativo C.P., em 1998, poucos meses antes de falecer.

Encontrou algum erro?

Envie uma correção

EFEMÉRIDES
Em 21 de junho de ...
1912 Nascia em Jundiaí o carpinteiro e escritor Donato Rullo.
1926 Era fundada em Jundiaí a Associação Esportiva Jundiaiense.
1943 Nascia em Jundiaí a pintora e arte-educadora Sueli Ferreira.
1960 Nascia em Jundiaí a artista plástica Helena Beatriz Galvani.
1961 Nascia em Jundiaí o poeta e romancista José Carlos Zâmbolli.
1981 Nascia em Jundiaí a bailarina Marcela Molena.

Saiba mais sobre estes e outros personagens, instituições e fatos ligados às Artes, à Cultura e à História de Jundiaí navegando pela nossa Enciclopédia Digital.

Acompanhe nossas Redes sociais
Parceiros

Copyright © 2021 Jundipedia. Todos os direitos reservados.

Desenvolvido por PROJECTO