AGNELLO, RENATO

(São Paulo, 23/12/1923 +Santana do Parnaíba, 17/11/1993) – Filho de Francisco Agnello, nasceu no bairro do Bom Retiro, onde, muito cedo, revelou seus dotes para desenho e literatura. Cursando o grupo escolar, no Bom Retiro, Renato desenhava tudo o que fazia parte do seu dia-a-dia, desde o professor aos colegas de classe, ganhando alguns trocados, vendendo os originais. Estudou desenho e pintura no Liceu de Artes e Ofícios e aos 18 anos, servindo ao Exército, na cidade de Itu-SP, passava horas reproduzindo cenas dentro do quartel, sempre a grafite. Entre um desenho e outro, escrevia poesias e crônicas, herança que deixou à sua filha, Bell Agnello. De volta a São Paulo, já como desenhista profissional, apurou-se nas técnicas da aguada, guache, nanquim, anilina e aquarela. Depois do primeiro emprego, como desenhista e artista gráfico – na José Tscherkasski e Cia., em São Paulo – foi trabalhar na Indústria de Papéis de Arte Emba Ltda. e, em seguida, na Indústria de Embalagens Pan Brasil, desenvolvendo, nestas, muitas embalagens para os chocolates Lacta, Sönksen e Ibéria; para as balas Neusa, de Piracicaba e Van Melle, de Jundiaí; para os pães Pullman e Seven Boys e para outros produtos do gênero. Criou as bolachas Maria e Maizena; desenhou centenas de coelhinhos para embalagens de ovos de Páscoa e deixou defensivamente a marca da sua arte nos invólucros dos bombons Sonho de Valsa e dos tabletes de chocolate Diamante Negro. Casou-se em 1947 com Anna A. Montanhes Rosalem e em 1962, mudando-se com a família para Jundiaí, abriu em frente à Cica uma indústria de embalagens. Tempos depois, fechada sua indústria, voltou a trabalhar na Pan Brasil, em São Paulo, onde conheceu o pintor italiano Túlio Pesce, dele se tornando grande amigo. Em junho de 1968 foi para a Bélgica, onde cursou Artes Gráficas e Fotografia na AGFA-Gevaert N.V., Mortsel. De volta ao Brasil, continuou a criar e gerenciar a produção de embalagens em várias outras indústrias, sendo a última delas a Indústria de Embalagens Celocort, em Santana do Parnaíba, onde faleceu, em 1993, vítima de um incêndio quando concluía trabalhos para as indústrias, Lacta e Ibéria, para a Páscoa de 1994. Um dos passatempos preferidos de Renato Agnello era pintar a óleo a bandeira brasileira e paisagens com barcos em cabeças de alfinetes, em feijões ou grãos de milho, bem como esculpir minúsculas peças em madeira, para se colocar em garrafas.

Encontrou algum erro?

Envie uma correção

EFEMÉRIDES
Em 20 de julho de ...
1885 Nascia em Itu-SP o músico e maestro José Maria dos Passos.
1938 Falecia em Jundiaí, aos 63 anos, o médico Domingos Anastasio.
1947 Falecia em Jundiaí, aos 41 anos, o Professor João Muto.
2001 Falecia em São Paulo, aos 30 anos, o ilustrador e criador de histórias em quadrinhos e livros infantis Émerson Eduardo Luiz.
2002 Falecia em Jundiaí o ritmista Island Júnior.
2003 Falecia em Jundiaí, aos 90 anos, o violonista amador José Levada. Falecia em Jundiaí, aos 90 anos, o violonista amador José Levada.
2019 Falecia em Jundiaí o metalúrgico, radialista e ex-vereador Rolando Giarola.

Saiba mais sobre estes e outros personagens, instituições e fatos ligados às Artes, à Cultura e à História de Jundiaí navegando pela nossa Enciclopédia Digital.

Acompanhe nossas Redes sociais
Parceiros

Copyright © 2021 Jundipedia. Todos os direitos reservados.

Desenvolvido por PROJECTO